Vamos palavrar por Portugal?

Sim, o termo Palavrar, bem ao estilo português de se falar, remete a nada mais que Fernando Pessoa: “Gosto de dizer. Direi melhor: gosto de palavrar. As palavras são para mim corpos tocáveis, sereias visíveis, sensualidades incorporadas. […] Como todos os grandes apaixonados, gosto da delícia da perda de mim, em que o gozo da entrega se sofre inteiramente. E, assim, muitas vezes, escrevo sem querer pensar, num devaneio externo, deixando que as palavras me façam festas, criança menina ao colo delas. São frases sem sentido, decorrendo mórbidas, numa fluidez de água sentida, esquecer-se de ribeiro em que as ondas se misturam e indefinem, tornando-se sempre outras, sucedendo a si mesmas." (Bernardo Soares / Fernando Pessoa, “Escrever” - fragmento/Livro do Desassossego).

E assim, palavreando pelas boas coisas de Portugal e seus encantos, não podemos deixar de falar dos vinhos que mais conquistam a todos ao redor do mundo.

Sim, pensar em Portugal e não somente pensar em vinho do Porto. Este é nosso desafio. Está preparado?

Quando falamos de vinhos portugueses, teremos que pensar em um país com várias regiões representativas e de uvas que só existem lá. Muitas regiões de pequenas produções, que se especializaram nos últimos anos oferecendo boa relação qualidade/preço.

E saborear Portugal exige um lado bastante aventureiro: um gosto por uvas totalmente diferentes das renomadas Cabernet Sauvignon, Syrah e tantas outras, para passar a adorar uvas de nomes como Touriga Nacional, Baga e Maria Gomes.

Muitos vinhos portugueses, incluindo o Porto, são uma mistura de diferentes uvas que você pode nunca ter ouvido falar, mas não deixe que isso te desencoraje.

 

Com mais de 250 variedades de uvas nativas, simplesmente apreciar os vinhos portugueses se torna uma viagem ao império dos sentidos (e seus sentidos serão colocados à prova).

Para chegar neste atual estágio, os produtores portugueses precisaram provocar uma mudança de estilo, abrindo mão dos vinhos duros, grandes e tânicos, por tendências mais suaves e voluptuosas através da modernização das técnicas de vinificação.

Com um leque de diferentes uvas, climas e estilos, existe sempre um vinho para um perfil de pessoa.

Aqui estão alguns para você experimentar:

Leve e fresco

Sim, vem à mente dos famosos Vinhos Verdes do norte de Portugal, que quando são de extrema qualidade e jovens, tornam-se uma bebida refrescante e inesquecível pelo seu ligeiro frisante. Estes vinhos são de cor limão pálido, com notas cítricas frescas das castas Loureiro e Arinto. Se você preferir um branco ligeiramente mais maduro e que se permite envelhecer, ouse experimentando o Vinho Verde feito com a uva Alvarinho, conhecida como Albarino na Espanha.

Rico e Redondo

Para os fãs de Chardonnay, tente a uva Encruzado da região do Dão. Feitos em uma variedade de estilos, de leves a ricos, os melhores exemplos possuem passagem por barricas e podem rivalizar com um bom Borgonha Branco.

Encorpado

Se gosta de tintos encorpados, dirija-se ao Douro, a região demarcada mais antiga do mundo. Lar dos famosos vinhos fortificados Porto, também produz vinhos tranquilos com as mesmas uvas. Estes tintos serão uma mistura de Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz (também conhecida como Tempranillo na Espanha), Tinta Barroca e Tinta Cão.

A Touriga Nacional domina a mistura e é, portanto, a mais conhecida. Produz vinhos de alta qualidade com sabores complexos de frutas pretas e especiarias doces de carvalho novo.

Elegante e frutado

Para vinhos mais frutados, o Dão é a escolha, pois está se transformando na Borgonha portuguesa, com uvas de alta qualidade como Touriga Nacional, Jaen (Mencia em Espanha) e Alfrocheiro, produzindo um estilo mais leve que o Douro. A região do Dão é continental, com vinhas plantadas a altitudes mais elevadas, produzindo vinhos com acidez naturalmente elevada, aromas frutados delicados e taninos firmes. Estes vinhos tendem a ver pouco ou nenhum carvalho, tornando-os mais acessíveis e muito amigáveis.

Digno de idade

Para os fãs de Pinot Noir e Nebbiolo, dirija-se à Bairrada, reino da casta Baga. Os vinhos da Bairrada são de intenso rubi e complexos de longa duração com acidez distinta, altos taninos e corpo potente. De ricos sabores de cereja a ervas e notas de tabaco com a idade.

Porto, sempre Porto!

Sim, a melhor parte do encerramento dos trabalhos de uma degustação, o sempre delicioso Porto. Sozinho ou acompanhado de sobremesa (como o famoso chocolate), um vinho de contemplação, de delírios, de exaltação às tradições. Nos estilos White, Ruby, Tawny e até aqueles mais longevos, são realmente a coroação daquilo que tanto amamos nos vinhos. São a companhia perfeita para finalizar uma viagem pelas tradições do vinho.

 

E no palavrar deste pequeno texto, podemos pegar emprestada a poesia de Fernando Pessoa e no degustar de uma taça de vinho português, pensar o seguinte: “Como todos os grandes apaixonados, gosto da delícia da perda de mim”. Acho que em uma viagem pelo mundo do vinho português, podemos amar a aventura e encontrar a riqueza de nossa vida a cada dia.

Leave a comment

1